gototopgototop
Educação a Distância

Referência em Fisioterapia na Internet

Referência em Fisioterapia na Internet

FisioWeb em Foco

Reportagens
FisioVídeos

Acesso - Usuário



Nossos Sites

Inform@tivo

Assinar

Assine e receba periodicamente os nossos comunicados e promoções de produtos e eventos.
Termos e Condições de Uso

Buscador - Artigos

Publicidade

Banner
Banner
Banner
Banner
Educação a Distância
Banner
Educação a Distância

Convênio - Estácio - FisioWeb
gototopgototop
Educação a Distância

Inform@tivo

Assinar

Assine e receba periodicamente os nossos comunicados e promoções de produtos e eventos.
Termos e Condições de Uso
Os Efeitos da Dança Sênior em Idosos: Revisão de Literatura Imprimir E-mail

Educação a Distância

Avaliação do Usuário: / 1
PiorMelhor 

 

 

Trabalho realizado por:
Débora Rodrigues de Jesus

Contato: deborarjd@hotmail.com

 

Resumo

Objetivo: O objetivo do presente estudo foi discorrer sobre a dança sênior,em como demonstrar a sua importância para o bem estar físico, psíquico e social dos idosos. Para tanto, buscou-se descrever sobre seus efeitos nos praticantes. Metodologia: O material utilizado nesta pesquisa bibliográfica foi acessado na base de dados Lilacs e Scielo, utilizando as palavras “dança sênior”, “dança para idosos”, “envelhecimento” e “epidemiologia do envelhecimento”, selecionados então, os artigos que se enquadraram ao assunto dança sênior, e aqueles que se correlacionaram. Conclusão: Este estudo auxiliando os demais já realizados sobre a dança sênior proporciona um conjunto de informações de relevante importância na área da gerontologia e geriatria e demonstra em seus resultados a vasta efetividade da dança sênior que beneficia a saúde do idoso, prevenindo inatividade oferecendo uma melhor qualidade de vida.

Palavras-chave: Dança sênior; Dança para idosos; Envelhecimento.

 

Abstract

Introduction: Aging is a physiological process of human development, is unique to each individual and multifactorial process there are numerous physiological changes in the body in general, which directly affect the physical, mental and social life of the elderly. The senior dance is an activity of low impact that works the mobility, the neuromuscular functions, coordination, balance, vitality, the physical and mental well-being and the socialization of the individual elderly. Objective: To discuss the senior dance as well as demonstrate its importance to the physical well-being, psychological and social security for the elderly. For both, we sought to describe its effects on practitioners. Methodology: The material used in this literature search was accessed in Lilacs and Scielo, using the words "senior dance", "dance for the elderly", "aging" and "epidemiology of aging", selected then the articles that fit the subject dance senior, and those that are correlated.Conclusion: This study helping others already made on the dance senior provides a set of information of high importance in the area of gerontology and geriatrics and demonstrates in its results the wide effectiveness of senior dance that benefits the health of the elderly, preventing downtime by providing a better quality of life.

Keywords: senior Dance; Dance for the elderly; Aging.

 

Introdução

Envelhecimento se trata de um processo fisiológico do desenvolvimento humano, é singular para cada indivíduo e multifatorial. Não significa adoecer, não se remete a passar o resto da vida acamado, dependente e totalmente limitado, sabe-se que nesse processo há inúmeras modificações fisiológicas no organismo em geral, que afetam diretamente a saúde física, psíquica e a vida social do idoso, mas é possível um envelhecimento saudável e ativo.

Muito se tem falado quanto à prevenção e promoção a saúde da população idosa, visando o bem-estar e qualidade de vida aos mesmos, para isso se faz necessário intervenção multidisciplinar. Dentre as especialidades disponíveis destaca-se a fisioterapia, que intervindo

Na terceira idade é capaz de prevenir e retardar o desenvolvimento e/ou progressão de patologias ou distúrbios adquiridos nessa fase da vida. Fisioterapia geriátrica é o ramo da fisioterapia que tem o foco nos idosos, visa o bem-estar, independência, saúde física e mental proporcionando qualidade de vida a tais, para isso faz uso de massagens, eletricidade, água, calor, luz e principalmente por meio de exercícios. Em um vasto conjunto de recursos e técnicas, a cinesioterapia trabalha os movimentos articulares envolvendo grupos musculares, visto que são realizados ativamente e adequando-os a capacidade que o indivíduo tem em realizá-los é possível manter a força e o tônus muscular, a flexibilidade e a mobilidade. Assim o idoso se vê participativo já que tem autonomia, isso desenvolve nele o prazer e o estimula, ou seja, também melhora o aspecto psicológico, uma gama de bons resultados que o leva a viver melhor, com qualidade de vida (BARBOZA, et al., 2014, p.88).

Aplicando a cinesioterapia de uma maneira agradável e entusiástica surge a Dança Sênior, atividade de baixo impacto onde se associa a técnica fisioterapêutica à dança. A Dança Sênior foi criada e é aplicada especialmente em indivíduos idosos homens e mulheres, com o intuito de evitar a inatividade favorecendo o envelhecimento saudável com qualidade de vida (CARVALHO, et al., 2012, p.574). Os benefícios são globais ao praticante, visto que aprimora a mobilidade, as funções neuromusculares, a coordenação motora, o equilíbrio, a vitalidade, o bem-estar físico e mental, além da socialização.

 

Objetivo

Este trabalho teve por objetivo discorrer sobre a Dança Sênior, recurso ainda pouco conhecido, bem como demonstrar a sua importância para o bem-estar físico, psíquico e social dos idosos. Para tanto, buscou-se descrever sobre seus efeitos naqueles praticantes.

 

Metodologia

O material utilizado nesta pesquisa bibliográfica foi acessado na base de dados Lilacs e Scielo, utilizando as palavras “dança sênior”, três artigos foram encontrados. Posteriormente foram realizadas novas buscas através dos descritores “dança para idosos”, “envelhecimento”, “epidemiologia do envelhecimento”, visando complementar o estudo proposto.

Foram selecionados então, os artigos que se enquadraram ao assunto Dança Sênior, e aqueles que se correlacionaram.

 

O envelhecimento

É um processo por qual todo e qualquer indivíduo vai enfrentar, não é um estado patológico, mas as mudanças que ele acarreta tornam a pessoa mais susceptível à obtenção de doenças crônico-degenerativas. apud CIPRIANI, et al (2010) infere dizendo que o envelhecimento se desenvolve progressivamente, de maneira contínua, naturalmente e sem possibilidades de reversão, causando debilidades e alterações funcionai sistêmicas, sendo único para cada indivíduo.

WITTER, et al (2013) acrescenta, a senescência gera perdas das funcionalidades do corpo de forma progressiva, acarretando limitações até mesmo na prática de atividades de vida diária do idoso.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que a população idosa brasileira está em constante crescimento e estima-se que aumente ainda mais nos próximos anos, bem como a perspectiva de vida que nos dias atuais é de 75 anos para 81 anos de idade, superando a taxa de fecundidade que está em declínio. O crescimento absoluto da população do Brasil nestes últimos dez anos se deu principalmente em função do crescimento da população adulta, com destaque também para o aumento da participação da população idosa, sabe-se que para uma população ser considerada idosa a razão entre o número de jovens deve ser menor em relação ao número de indivíduos idosos, que deve estar mais elevado. Os grupos etários de menores de 20 anos já apresentam uma diminuição absoluta no seu contingente.

Segundo a OMS (2005) no período compreendido entre 1970 e 2025, é estimado um crescimento além de 200%, aproximadamente 694 milhões, no número de idosos. Em 2025, possivelmente haverá 1,2 bilhões de pessoas mais velhas atingindo o total de dois bilhões em 2050, sendo 80% em países em desenvolvimento.

Diante dessa realidade em que nos deparamos com o envelhecimento populacional decorrente da queda dos níveis de mortalidade e fecundidade, aumento da perspectiva de vida e da proporção de idosos, é de extrema importância o desenvolvimento de programas que visem à proteção, condições de sobrevivência e assistência médica dignas aos idosos, haja vista que essa população está em maior vulnerabilidade a doenças que prejudicam suas funções como um todo.

 

Alterações Fisiológicas

As alterações fisiológicas sofridas pelo idoso são de caráter sistêmico como já mencionado, para tanto há influência de fatores intrínsecos e extrínsecos podendo ser citados a genética, o estilo de vida, atividades, estresse, intervenções ambientais, hábitos alimentares e cuidados de saúde, levando a mudanças estruturais do corpo e de suas funções.

As principais transformações que afetam a capacidade funcional do idoso se dão nos sistemas nervoso, musculoesquelético, respiratório e cardiovascular.

Sistema nervoso: atrofia do cérebro, redução do volume do córtex cerebral, diminuição do número de neurônios em vários locais, alteração da cognição, diminuição do peso do cerebelo.

Sistema musculoesquelético: redução do número de fibras musculares, diminuição da velocidade da contração muscular, fraqueza muscular, sarcopenia, diminuição da resistência muscular. Osteopenia, redução da resistência mecânica articular.

Sistema respiratório: aumento do espaço morto pulmonar, achatamento dos sacos alveolares, função mucociliar diminuída, rigidez articular torácica, calcificação das cartilagens e articulações costais, fraqueza e hipotrofia dos músculos respiratórios, perda da complacência pulmonar, diminuição na produção de surfactante, redução da capacidade de oxigenação, dificuldade em realizar troca gasosa, redução da elasticidade.

Sistema cardiovascular: hipertrofia do ventrículo esquerdo, aumento de gordura nos músculos cardíacos, rigidez e dilatação da parede arterial, alteração na contratilidade do miocárdio.

Dessa maneira, o idoso apresenta déficit na marcha, no equilíbrio, na coordenação motora, na mobilidade, de memória, alterações de humor, dificuldade em relacionar-se, fadiga, entre outros.

Além dessas disso, ocorrem disfunções nos sistemas endócrino, gastrointestinal, urinário, hematopoético e tegumentar.

 

A Dança Sênior

A Dança Sênior foi criada por Ilse Tutt, na Alemanha. Em 1970 Ilse reuniu com pedagogos sociais e desenvolveram atividades para idosos que viviam em institucionalizados, e em 1974 surgiu a Dança Sênior, posteriormente em 1977 foi fundada a Federação Dança Sênior da Alemanha.

No Brasil, foram realizadas demonstrações em 1978 em São Paulo e em Curitiba no ano de 1981 pela alemã Christel Weber. A mesma ministrou o primeiro curso em 1982 em São Leopoldo – RS e em 1983 o segundo em Nova Friburgo – RJ.  Regina Krause ministrou seu primeiro curso em 1989 em Joinville. É citado ainda o nome de Hannelore Weber no RS e Annemarie Dorset em SC, alemãs que também ministraram cursos de Dança Sênior.

A Associação de Dança Sênior foi criada em 18 de novembro de 1993 na Instituição Bethesda, no Brasil.

Através da Dança Sênior se trabalha a funcionalidade respeitando suas limitações, ao mesmo tempo em que ele se diverte. É uma atividade prazerosa, saudável, leve, fascinante e alegre, tira o idoso daquele patamar de imobilidade e inutilidade para uma realidade onde ele é o autor principal, sendo ativo e participativo, usufruindo do bem-estar, auto estima e socialização.

Na Dança Sênior as coreografias são realizadas com os praticantes em pé, sentados, em círculos, em pares, com uso de lenços, bastões e outros. Cassiano, et al (2009) ressalta, a Dança Sênior é uma atividade voltada para a população idosa que envolve a música e a atividade física; exige dos participantes movimentos amplos, rápidos e lentos, coordenados, simultâneos, ritmados, acompanhando a marcação do dirigente e do grupo. O repertorio é diversificado, do ponto de vista de ritmos, coreografias e complexidade de movimentos. Esse fato favorece a adequação da dança sênior ao grupo, às suas demandas físicas, cognitivas e emocionais, visto que o idoso realiza os exercícios dentro dos seus limites e capacidade.

 

Resultados

Autor

Amostra

Intervenção

Resultados (Domínio)

Carvalho, et al (2012)

Estudo quase experimental com 8 idosos hemiparéticos de AVE do depto de fisioterapia da Univer- sidade Nove de Julho.

Prática da Dança Sênior durante três meses, duas vezes por semana com 60 minutos de duração. Totalizando 24 sessões.

-Energia;

-Papéis familiares;

-Linguagem;

-Mobilidade;

-Humor

-Personalidade;

-Autocuidado;

-Papéis sociais;

-Memória;

-Concentração;

-Visão;

-Produtividade;

-Funcionalidade;

-Limitação para aspectos sociais

Cassiano, et al (2009)

Estudo realizado com 20 idosos hígidos no programa do depto de terapia ocupaci-onal da Universidade Federal de Minas Gerais.

Prática da Dança Sênior durante um ano, com frequên- cia semanal, cada sessão com dura- ção 60 minutos.

-Comportamento;

-Motivação;

-Interação;

-Socialização;

-Qualidade de vida;

-Atenção;

-Memória;

-Coordenação moto-ra;

-Mobilização;

-Flexibilidade;

-Planejamento mental

-Expressão.

Oliveira, et al (2009)

Estudo prospectivo realizado com 103 idosos no programa de reabilitação do Hosp. E Mater- nidade São Cristó-vão, 51 deles eram portadores de patolo-gias neurológicas, respiratórias e orto-pédicas.

Prática da Dança Sênior durante qua

tro meses, com frequência sema- nal e duração de 60 minutos. Totalizando 15 sessões.

 

-Emocional;

-Capacidade e ânimo em realizar atividade do dia a dia;

-Saúde mental;

-Disposição física;

-Fadiga;

-Lateralidade;

-Orientação espacial

-Consciência corpo-ral.

 

Tabela de resultados dos estudos relacionados à Dança Sênior.

 

Discussão

A Dança Sênior é caracterizada por ter como principal efeito a geronto-ativação, que vem a ser movimento na terceira idade. São inúmeros os benefícios da Dança Sênior para os praticantes, alguns autores corroboraram através de seus estudos para que tal método se fizesse conhecido. Cassiano, et al (2009) realizou um estudo intervindo com a Dança Sênior em 20 idosos hígidos com idade entre 65 a 84 anos, a atividade foi realizada no período de um ano e com frequência semanal, cada sessão com duração de uma hora; puderam afirmar que a Dança Sênior é capaz de favorecer o bom desempenho físico, cognitivo, social e emocional, sendo que todos esses aspectos são estimulados durante a prática da atividade ( físicos: mobilização articular, flexibilidade muscular e coordenação motora; cognitivos: atenção e memória; sociais: interação, expressão e sentimento de pertencimento dos participantes).

As coreografias estimulam a memória recente através da execução da capacidade que o indivíduo tem de armazenar e resgatar as coreografias; a atenção, uma vez que é necessário está atento e ligado para aprender os movimentos; a concentração e o planejamento mental, que são trabalhados ao aprender e realizar os passos e sequências, evitando o isolamento e proporcionando a socialização, divertimento e o bem estar por está interagindo com várias pessoas num ambiente propício ao desenvolvimento interpessoal. Outros efeitos constados são o aprimoramento da força muscular por meio de movimentos isométricos, ativação neuromuscular, melhora do equilíbrio e da postura corporal, assim como da agilidade.

No estudo realizado por Oliveira, et al(2009) houve aplicação do questionário SF-36 após a prática da atividade, tendo como resultados comprovados melhora quanto a depressão, ansiedade, descontrole emocional, bem estar psicológico e alterações comportamentais. A prática de atividade física através da dança favorece liberação de hormônios (noradrenalina, serotonina e dopamina) que provocam a excitação mental e física, quanto mais se exercita mais neurotransmissores são liberados, produzindo sensação de relaxamento, o que reduz o estresse, a ansiedade e combate a depressão.

Assim também obtiveram ganho físico, onde os praticantes apresentaram um grau menor na limitação física interferindo na realização das atividades do seu cotidiano, se observou redução no nível de fadiga e elevação quanto à disposição física. Os autores ainda descrevem que na amostra estudada, o aspecto emocional foi o componente em que se teve maior impacto, uma vez que a junção da música, movimento e o convívio social na Dança Sênior despertaram o sentimento de bem-estar e de equilíbrio emocional, restaurando o prazer na realização dos afazeres diários. Neste mesmo estudo obtiveram melhora na lateralidade, orientação espacial e conscientização corporal, caracterizados como ganhos motores.

 

A Dança Sênior estimula a respiração e intensifica a circulação sanguínea, favorecendo então a oxigenação e irrigação celular, benefícios desse tipo de atividade física.

Trata-se de um recurso que viabiliza a o envelhecimento ativo, interferindo favoravelmente no desencadeamento, progressão e/ou sequelas de doenças comuns a estes indivíduos em questão.

Oliveira, et al (2009) e Carvalho, et al (2012) realizaram estudo com a prática de Dança Sênior em idosos portadores de patologias neurológicas, respiratórias e ortopédicas, e em pacientes hemiparéticos decorrentes de AVE, respectivamente, obtiveram excelentes resultados.

Nos indivíduos hemiparéticos constatou-se melhora significativa no quesito qualidade de vida após a terapia com a dança. Os aspectos energia, papéis familiares, linguagem, mobilidade, humor, personalidade, autocuidado, papéis sociais, memória e concentração, visão, produtividade e capacidade funcional, avaliados pelos instrumentos utilizados pelos autores, foram aprimorados nos idosos hemiparéticos.

Analisando os resultados desse trabalho, concluíram que indivíduos com lesões neurológicas podem praticar Dança Sênior e obter resultados positivos, ou seja, a Dança Sênior é uma atividade que pode ser utilizada por todos, com ou sem comprometimentos importantes.

 

Conclusão

Constata-se que a população idosa brasileira e mundial em crescimento, necessita de maior atenção em saúde, visto a vulnerabilidade a que estão expostos intrínseca e extrinsecamente. É importante que os profissionais das mais variadas áreas da saúde atuem na prevenção e na promoção do bem-estar e qualidade de vida dos idosos. A fisioterapia tem por objetivo prevenir e tratar as disfunções cinéticas funcionais de órgãos e sistemas, aplicada em idosos previne e trata disfunções assim como mantém as funcionalidades do organismo.

A Dança Sênior é uma atividade que trabalha o indivíduo em sua totalidade promovendo a ativação, retardando o processo patológico decorrente das alterações estruturais e funcionais do envelhecimento. São inúmeros os efeitos benéficos da prática dessa dança, desde os aspectos motores e funcionais, aos psíquicos e sociais, tanto que os participantes se apaixonam e requerem sempre mais.

Este estudo auxiliando os demais já realizados sobre a Dança Sênior proporciona um conjunto de informações de relevante importância na área da gerontologia e geriatria e demonstra em seus resultados a vasta efetividade da Dança Sênior que beneficia a saúde do idoso, prevenindo inatividade oferecendo uma melhor qualidade de vida.

 

Referências

ASSOCIAÇÃO DE DANÇA SÊNIOR. O que é dança sênior? Disponivel em: <www.portal-bethesda.org.br/danca_senior.htm>. Acesso em: 26 mar. 2015.

BARBOZA, N. M. et al. Efetividade da fisioterapia associada à dança em idosos saudáveis: ensaio clínico aleatório. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 87-98, 2014.

CARVALHO, P. C. D. et al. Avaliação da qualidade de vida antes e após a terapia com dança sênior em pacientes hemiparéticos pós-AVE. ConScientiae Saúde, v. 11, n. 4, p. 573-579, 2012.

CASSIANO, J. G. et al. Dança sênior: um recurso na intervenção terapêutico-ocupacional junto a idosos hígidos. Rev. Bras. de Ciências do Envelhecimento Humano, Passo Fundo, v. 6, n. 2, p. 204-212, mai/ago 2009.

FREITAS, E. V. D.; PY, L. Tratado de geriatria e gerontologia. 3ª. ed. Rio de Janeiro: Ganabara Koogan, 2013. 948-957 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Primeiros resultados definitivos do censo 2010. Disponivel em: <http://censo2010.ibge.gov.br/pt/noticias-censo>. Acesso em: 03 maio 2015.

NASRI, F. O envelhecimento populacional no Brasil. Einstein, v. 6, p. (Supl 1) S4-S6, 2008.

OLIVEIRA, L. C. D.; PIVOTO, E. A.; VIANNA, P. C. P. Análise dos resultados de qualidade de vida em idosos praticantes de dança sênior através do SF-36. Acta Fisiatr., v. 16, n. 3, p. 101-104, 2009.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Envelhecimento ativo: uma política de saúde, Brasília. OPAS, 2005.

PAIVA, A. C. D. S. et al. Dança e envelhecimento: uma parceria em movimento. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, v. 15, n. 1, 2010.

RAMOS, L. R. Fatores determinantes do envelhecimento saudável em idosos residentes em centro urbano:Projeto Epidoso, São Paulo. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 19(3), p. 793-798, mai-jun 2003.

WITTER, C. et al. Envelhecimento e dança: análise da produção científica na Biblioteca Virtual de Saúde. Rev. Bras, Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p. 191-199, 2013.

 

Obs:
- Todo direito e responsabilidade do conteúdo é de seu autor.
- Publicado em 07/07/2017.



Artigos Relacionados:
 
 
Joomla 1.5 Templates by Joomlashack