gototopgototop
Educação a Distância

Referência em Fisioterapia na Internet

Referência em Fisioterapia na Internet

FisioWeb em Foco

Reportagens
FisioVídeos

Acesso - Usuário



Nossos Sites

Inform@tivo

Assinar

Assine e receba periodicamente os nossos comunicados e promoções de produtos e eventos.
Termos e Condições de Uso

Buscador - Artigos

Publicidade

Banner
Banner
Banner
Banner
Educação a Distância
Banner
Educação a Distância

Convênio - Estácio - FisioWeb
gototopgototop
Educação a Distância

Inform@tivo

Assinar

Assine e receba periodicamente os nossos comunicados e promoções de produtos e eventos.
Termos e Condições de Uso
A Tração Manual e o Alongamento em Cadeias Musculares têm sido usados na Hemiplegia e Hemiparesia: Uma revisão literária Imprimir E-mail

Educação a Distância

Avaliação do Usuário: / 0
PiorMelhor 

The Intermittent Manual Traction and the Muscle Chains Stretching have been used in Hemiplegia and Hemiparesis? : Literature Review

 

Trabalho realizado por:

Cássia Menezes Ribeiro Galdiano.

Contato: cassiamrg@hotmail.com

Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia Geriátrica - UFSCAR (2011).

Orientadora:

Profa. Dra. Christiane Lanatovitz Prado Medeiros (Doutorado UFSCAR 2010).

 

Resumo:

O Acidente Vascular Encefálico (AVE) constitui um grande desafio ao processo de reabilitação, devido às seqüelas acarretadas pela lesão como as alterações posturais, a subluxação e a dor no ombro plégico. O objetivo deste estudo foi realizar uma revisão de literatura para documentar os trabalhos de pesquisa sobre as intervenções que minimizam os problemas da dor e da subluxação do ombro e das disfunções posturais em indivíduos com hemiplegia/hemiparesia e verificar se a tração manual intermitente e o alongamento por cadeias musculares têm sido usados como forma de tratamento nestes casos. Para alcançarmos o objetivo deste estudo foram coletados artigos publicados no período de 1983 a 2011, das seguintes fontes: Medline, Lilacs, Cochrane, Scielo, Biblioteca Unicamp, Teses USP, IBECS, Pedro, BCO Periódicos, Jornal “Gait and Posture”, Jornal “Neuro-Engenharia e Reabilitação”, Cambridge Journal , Sage, Oxford Journals, Atheneu, Acta Neurochirurgica, Indian Journal of Medical Research, Neurological Sciense, Neurology Índia, Dinamed, Sciverse Scopus, Revista Brasileira de Fisioterapia, Academic Search Premier, CINAHL, Google e Pubmed. Muitos estudos usaram como procedimento a estimulação elétrica para tratar a subluxação e a dor no ombro pós-AVE. Apenas um usou a tração manual no ombro pós-AVE. Poucos levaram em consideração as fáscias e as cadeias musculares. As terapias manuais como RPG, Tração manual, Pompage, Método Rolf e Método Kozijavkin, trouxeram uma evolução na forma de tratamento, visando fáscias e a globalidade do corpo e tendo por objetivo uma melhor simetria, corrigindo as alterações dos padrões primitivos com exercícios baseados em cadeias musculares. Assim, estas técnicas poderiam, com novas pesquisas, ser um método promissor de tratamento também para pacientes pós-AVE, pelos benefícios que proporcionam, auxiliando os profissionais que focam a reabilitação de pacientes neurológicos e favorecendo a pratica clínica, visando o indivíduo como um todo.

Palavras-chave: AVE, espasticidade, hemiplegia, encurtamento, ombro doloroso, simetria, cadeias musculares, estabilidade, subluxação, Kozijavkin, Homem Vitruviano.

 

Abstract:

Stroke is a challenge to the rehabilitation process due to the problems brought by injury, such as, postural changes, subluxation and shoulder pain. The aim of this study was to conduct a literature review to document the researches about interventions aimed to minimize shoulder pain, subluxation, and postural dysfunctions in individuals with hemiplegia/hemiparesis, and verify if the intermittent manual traction and the muscle chains stretching have been used as a treatment in these cases. To achieve the aim of this study, were collected articles published between 1983 to 2011 in the following sources: Medline, Lilacs, Cochrane, SciELO, Library Unicamp, USP Theses, IBECS, Peter, HCB Journals, Newspapers "Gait and Posture", Journal "Neuro-Rehabilitation Engineering," Cambridge Journal, Sage, Oxford Journals, Atheneu, Acta Neurochirurgica, Indian Journal of Medical Research, Neurological Sciense, Neurology India, Dinamed, Sciverse Scopus, Journal of Physical Therapy, Academic Search Premier, CINAHL, Google and Pubmed. A lot of studies used electrical stimulation to treat shoulder pain and subluxation post-stroke. Only one study used a manual traction on the shoulder post-stroke. Few of them considered the fascia and the muscle chains. Manual therapies such as RPG, manual traction, pompage, Rolf Method and Method Kozijavkin Method brought an evolution to the treatment form, aiming fascias and the whole body, providing better symmetry and correcting primitive patterns, with exercises based on the muscle chains. Therefore, through more researches, these techniques could be a promising method of treatment also to patients post-stroke due to the benefits they provide, helping professionals who focus on the neurological rehabilitation, and proving the clinical practice, treating the individual as a whole.

Keywords: stroke, spasticity, hemiplegia, shortening, shoulder pain, shoulder, symmetry, muscular chains, stability, subluxation, Kozijavkin, Vitruvian man.

 

Introdução:

O Acidente Vascular Encefálico (AVE) é a segunda causa de morte no mundo e a primeira de incapacidade. No Brasil, 90.930 pessoas morreram em 2004, devido às doenças cerebrovasculares. Nos três primeiros meses de 2006 foram registradas 30.392 internações por AVE através do SUS (ZAMBERLAN et. al., 2007). A incidência de AVE dobra a cada década após os 55 anos (RODGERS, 2004), ocupando posição de destaque entre a população idosa. Projeções sugerem que, sem intervenção, o número de mortes por AVE aumentará para 6,3 milhões em 2015 e 7,8 milhões em 2030 (BONITA R., 2007).

O AVE constitui um grande desafio ao processo de reabilitação por ocasionar, dentre os sintomas secundários, a hemiplegia espástica com hipertonia, redução de força e flexibilidade muscular e alterações que dificultam a funcionalidade dos pacientes acometidos (FIGUEIREDO et. al., 2005). O AVE, assim como outras lesões, que levam a uma má interação do sistema neuromuscular e proprioceptivo, acarreta problemas na força, no tônus, na percepção-cognição, na sensibilidade, no controle motor, na mobilidade passiva e no equilíbrio (RIBAS et. al., 2007). Assim, com o desequilíbrio da musculatura estabilizadora irão surgir problemas relacionados à biomecânica das articulações. Este desequilíbrio pode causar lesões e dor no paciente (MAGALHÃES E SILVA, 2011).

Os déficits de movimento evidenciados no lado hemiparético são caracterizados por anormalidades do tônus (espasticidade), dos ajustamentos posturais, dos movimentos sinérgicos, perda dos movimentos seletivos e da coordenação motora (PAETH, 2000). Os pacientes com seqüelas são dominados por sinergias primitivas dos membros e, assim, não conseguem ativar os músculos de forma efetiva, combinada e sequenciada na execução de um movimento como, por exemplo, durante a marcha (RYERSON, 1994). A alteração dos padrões sinérgicos acaba gerando um movimento mal coordenado e lento do membro afetado (RIBAS et. al., 2007).

O processo de instalação de um desequilíbrio muscular, normalmente, não é perceptível ao indivíduo até que suas conseqüências comecem a se manifestar, normalmente em forma de quadros álgicos e/ou deformidades. E, levando-se em consideração o complexo de cadeias musculares que compõem o corpo humano, o processo será seguido de uma série de compensações locais e à distância, transformando o problema inicial em complexo processo de reabilitação postural (MORAES, 2002).

Além disso, a musculatura flácida decorrente da ausência do controle motor e da inatividade do membro na fase inicial do AVE, proporciona susceptíveis graus de lesões, como o estiramento de suas estruturas (HORN et. al., 2003). A imobilização absoluta de um segmento também leva à fraqueza, hipotrofia muscular por desuso, contraturas musculares, diminuição da massa óssea e degeneração articular (HALAR E DELL, 2000).

A diminuição do tônus muscular no membro superior parético durante o período flácido leva a depressão e báscula medial da escápula, o que compromete a estabilidade articular do ombro. Estas alterações representam fatores causais do ombro doloroso (BHAKTA BB, 2000; BACHIR E BARALDI, 2002). Em torno de 20% dos casos, a dor se instala na primeira e segunda semana, o que prolonga o tempo de internação, dificulta a recuperação motora, as mudanças de decúbito e as transferências posturais. Essas condições justificam uma intervenção fisioterapêutica precoce (HORN, 2003; PINEDO, 2001). Na fase flácida, o ombro está sujeito à subluxação inferior e vulnerável a danos dos tecidos moles. Na fase espástica, o movimento é frequentemente muito limitado e distúrbios, tais como lesões do manguito rotador e capsulite adesiva, foram relatados em pacientes com dor no ombro após o AVE (BROX, 2003).

A síndrome do ombro doloroso do hemiplégico representa um problema importante, frequente e encontra-se entre uma das complicações responsáveis pelo alto grau de incapacidade funcional e sofrimento para o paciente após o AVE (ZOROWITZ et. al., 1996). Suas possíveis causas estão nos mecanismos de desalinhamento do ombro, movimentações incorretas e imobilidades (HORN et. al., 2003). Esta síndrome pode ser considerada comum em pacientes que sofreram AVE, cuja prevalência, após esse tipo de evento, segundo a literatura, varia em entre 47% e 72% (PAULIN DE COUVAL, 1990; CHANTRAINE et. al., 1987) e entre 5% e 84% (BENDER E MC KENNA, 2001; TURNER-STOKES e JACKSON, 2002; SENEVIRATNE et. al., 2005). Além disso, há uma alta incidência de distrofia simpático-reflexa dos membros superiores em pacientes com hemiplegia (GOKKAYA N K, et. al., 2006).

O quadro caracteriza-se por dor no ombro e perda progressiva da amplitude de movimento articular, e, nos casos mais graves, essa dor pode apresentar-se até em repouso (O’SULLIVAN; SCHMITZ, 2004). O mecanismo exato de dor pós-AVE não é claramente conhecido (OLIVEIRA E SILVA, C. e cols. 2000), porém há consenso quanto aos componentes essenciais da terapêutica escolhida para a redução da inabilidade física e melhoria funcional (JÜRGEL, J e cols., 2005), como o aumento da amplitude de movimento (ADM), da força ativa dos músculos do ombro e da diminuição da dor.

Alguns autores afirmam que trações manuais conduzem a uma diminuição da dor decorrente de tensões musculares. Os estudos de ROHDE (2003) mostram que a tração manual pode levar a uma redução de espasmos musculares dolorosos reflexos. O fator muscular de restrições de movimento é reduzido e, portanto, a amplitude de movimento é aumentada. Após trações, um relaxamento muscular começa. É semelhante ao que encontramos depois de tensões isométricas. Os autores chamam a isso de "relaxamento de tração” (ROHDE, 2003). A tração manual resultaria numa maior mobilidade articular, o que estimularia a atividade biológica, movimentando o líquido sinovial, mantendo a extensibilidade e força de tensão nos tecidos articulares e periarticulares, os quais informarão ao SNC quanto ao posicionamento e o movimento da articulação (KISNER E COLBY, 1998).

Outro método que poderia ser utilizado para minimizar esses problemas pós-AVE é o alongamento em cadeias musculares. MYERS (1997) afirma que é mais correto ver o corpo como uma série de intercadeias miofasciais, pois uma lesão ou trauma acarretam em um desempenho motor patológico que é acompanhado por uma distorção funcional de alguns grupos musculares, havendo formação de cadeias musculares patológicas. Essa correção é, portanto, essencial para que se obtenha um padrão de movimento mais próximo do normal.

Assim, o estudo de técnicas, que busquem tracionar manualmente o ombro, bem como os que busquem correções posturais e biomecânicas por meio da manipulação de fáscias e da aplicação de alongamento visando a globalidade das cadeias musculares, poderão auxiliar os fisioterapeutas na correção de uma subluxação, na diminuição da dor e na reabilitação global do indivíduo pós AVE.

 

Revisão da Literatura:

Foi realizada uma revisão de literatura para documentar os trabalhos de pesquisa sobre as intervenções que minimizam os problemas da dor e da subluxação do ombro e das disfunções posturais em indivíduos com hemiplegia/hemiparesia e verificar se a tração manual intermitente e as cadeias musculares têm sido usadas como forma se tratamento nestes casos.

Os artigos selecionados foram os que tivessem como tema os descritores: spasticity, hemiplegia, shortening, pain shoulder, shoulder and hemiplegia, symmetry and hemiplegia, muscular chains, stability and hemiplegia, subluxation and hemiplegia, Kozijavkin, Vitruvian man. Foram incluídos no estudo meta-análises, estudos de caso, revisões sistemáticas e literárias e ensaios clínicos randomizados ou não. Foram pesquisados artigos publicados no período de 1980 a 2011, coletados das seguintes fontes: Medline, Lilacs, Cochrane, Scielo, Biblioteca Unicamp, Teses USP, IBECS, Pedro, BCO Periódicos, Jornal “Gait and Posture”, Jornal “Neuro-Engenharia e Reabilitação”, Cambridge Journal, Sage, Oxford Journals, Atheneu, Acta Neurochirurgica, Indian Journal of Medical Research, Neurological Sciense, Neurology Índia, Dinamed, Sciverse Scopus, Revista Brasileira de Fisioterapia, Academic Search Premier, CINAHL, Google e Pubmed.

A estratégia de busca inicial resultou em 1.025 artigos, publicados entre 1983 e 2011, pesquisados no período de dezembro de 2010 a abril de 2011. Os títulos foram avaliados e, destes, foram selecionados 320 artigos iniciais, sendo que destes, ainda foram excluídos os que não traziam conteúdo relevante, resultando em 123 artigos finais. Nesses estudos de maior importância, os pontos essenciais foram analisados extraídos e resumidos.

Alguns artigos que descreviam mais amplamente o tema ou continham informações essenciais, foram utilizados no texto. Os outros (18%), que continham informações sobre os tratamentos, foram agrupados e analisados de forma descritiva em tabelas para melhor observação dos resultados onde salientamos o primeiro nome do(s) autor (es), o ano, tipo de artigo e abordagem, método utilizado, causas de dor, resultados e conclusões. Os estudos foram apresentados em ordem cronológica. As discussões e conclusões com relação a cada grupo foram descritas abaixo de cada tabela.

Toda informação essencial ao tema foi selecionada, sendo que considerações gerais foram necessárias para elucidar alguns tópicos. Foram destacados os pontos mais importantes de cada descritor. Foram analisadas quais as formas de tratamento atuais e as mais frequentemente utilizadas para subluxação e dor no ombro e verificado se a tração manual intermitente tem sido usada nestes casos. Já para minimizar as alterações posturais e biomecânicas decorrentes da hemiplegia, foram analisadas as formas de posicionamento e se as cadeias musculares têm sido utilizadas como forma de alongamento para a hemiplegia/hemiparesia. Além disso, foi verificado se o alongamento buscando a simetria vitruviana também tem sido utilizado como forma de minimizar o sinergismo primitivo e na redução das sequelas da espasticidade.

Dois artigos de Kozijavkin não foram incluídos nas tabelas por estarem em ucraniano e a tradução a que tínhamos acesso estar inferior para um bom aproveitamento.

Dessa forma pudemos chegar numa conclusão sobre o tema, verificando se a tração manual e o alongamento em cadeias musculares têm sido usados em nosso meio profissional e se tem sido encarada como uma forma de terapia eficaz e com fundamentação científica.

 

Discussão:

Em nossa revisão foram abordados os temas : AVE, subluxação e dor no ombro, alterações posturais e biomecânicas, fáscia, alongamento, posicionamento e dispositivos de apoio, tração manual, propriocepção, estimulação elétrica, Rolfing, Pompage, Método Kozijavkin e Homem Vitruviano, para melhor entendermos o tema abordado. Em nossa coleta de dados observamos trabalhos que trazem tópicos que devem ser levados em consideração para futuras pesquisas, que minimizem as seqüelas do AVE e da espasticidade. Entretanto, dentre os tratamentos encontrados, apenas um estudo utilizou a tração manual, usando distração grau II, mas não focada para tratar especificamente a subluxação do ombro hemiplégico/parético; poucos foram os que usaram o alongamento por cadeias musculares para tratar as alterações biomecânicas, posturais e a espasticidade decorrentes do AVE.

O único trabalho encontrado que usa a simetria vitruviana (Fig.1), como base de seu tratamento é o Método Kozijavkin (Fig.2), muito usado em casos de paralisia cerebral, mas também em adolescentes e adultos, com excelentes resultados. Este método busca, como no RPG, encarar o indivíduo de forma global, visando fáscias e cadeias musculares. Entretanto, os estudos encontrados não puderam ser incluídos nessa revisão.

Fig.1
Simetria Vitruviana
Fig.2
Método Kozijavkin

Houve uma escassez de estudos que abordassem o tema, ou seja que utilizassem a tração manual e o alongamento em cadeias musculares no tratamento da hemiplegia/hemiparesia pós-AVE. Os que mais abordaram o tema escolhido foram os que trataram sobre Pompage, RPG e quanto à tração manual intermitente.

Apesar da tração e do alongamento em cadeias musculares serem técnicas muito bem descritas e amplamente utilizadas para tratar outras populações, há uma escassez de estudos na literatura atual que testem os benefícios dessas técnicas em pacientes com hemiplegia/hemiparesia pós-AVE. Assim, novos estudos são necessários para verificar a contribuição que esses tipos de tratamentos podem oferecer a esse tipo de paciente.

 

Conclusão:

O AVE, doença incapacitante e muito frequente em muitos países, tem grande impacto negativo quanto à reabilitação funcional. Posturas que buscam a simetria dos membros, como no Homem Vitruviano, e alongamentos estáticos de manutenção de poucos segundos podem futuramente serem pesquisados para alcançar o objetivo de uma melhor marcha, melhor equilíbrio estático e a melhora geral do quadro apresentado pelo AVE.

A tração manual intermitente foi pouco e levemente descrita em alguns trabalhos apesar de já ser muito utilizada na prática por alguns profissionais por possui efeitos neurofisiológicos comprovados, como a estimulação dos mecanoreceptores e a inibição da proteção reflexa que diminui o desconforto dos músculos em contração.

Os trabalhos que envolveram Pompage, RPG e alongamento tiveram resultados mais globais. Foram poucos os que fizeram uso de tração manual ou levaram em consideração as sequelas com relação às fáscias, usando terapias manuais e cadeias musculares na hemiplegia/hemiparesia. Apesar de estas técnicas serem muito bem estabelecidas na literatura para tratar outras patologias e outras populações, trazendo benefícios posturais, alívio da dor e melhora da qualidade do movimento, são escassos os estudos que reportam esse tipo de tratamento na hemiplegia/hemiparesia.

Assim, conclui-se que a aplicação destas técnicas poderia, com novas pesquisas, obter excelentes resultados diante da iniciativa de também tratar pacientes pós-AVE, auxiliando os profissionais que focam a reabilitação de pacientes neurológicos e favorecendo a prática clínica, visando o indivíduo como um todo.

 

Referências:

ACAR M; KARATAS GK The effect of arm sling on balance in patients with hemiplegia. Gait and Posture;32(4):641-4, 2010.

ADA L, FOONGCHOMCHEAY A, CANNING CG Supportive devices for preventing and treating subluxation of the shoulder after stroke The Cochrane Library 2009, Issue 4.

ANTUNES A; VILARINO L; MATOS S. Fáscia Visceral ou Subserosa. Disponível em: http://www.wgate.com.br/fisioweb acesso em março de 2011.

ARAS MD, GOKKAYA NK, COMERT D, KAYA A, CAKCI A. Shoulder pain in hemiplegia: results from a national rehabilitation hospital in Turkey. Am J Phys Med Rehabil 2004;83:713–9.

BACHIR LA, BARALDI I. A influência do alinhamento do tronco na melhora do ombro doloroso do hemiplégico (estudo de casos). Reabilitar 2002;14:28-37.

BAKHEITA AMO, V. MAYNARDB V, SHAWC S The effects of isotonic and isokinetic muscle stretch on the excitability of the spinal alpha motor neurones in patients with muscle spasticity. European J of Neurol. 2005, 12: 719–724.

BANDY WD, IRION JM, BRIGGLER M. The effect of time and frequency of static stretching on fl exibility of the hamstring muscles. Phys Ther. 1997; 77(10):1090-6.

BARNES, JF. Myofascial Release: The Search for Excellence, 10th Edition. Rehabilitation Services Inc. 1990.

BARNES MP. Upper motor neurone syndrome and spasticity. Cambridge: Cambridge Univ Pr; 2001.

BENDER L., MCKENNA K. Hemiplegic shoulder pain: defining the problem and its management. Disabil Rehabil. 2001;23:698-705.

BERTOLINI GRF, BARBIERI CH, MAZZER N. Análise longitudinal de músculos sóleos, de ratos, submetidos a alongamento passivo com uso prévio de ultrasom terapêutico. Rev Bras Med Esporte. 2009;15(2):115-8.

BESSA, IM. Testes Neurodinâmicos do Membro Superior. EssFisioONLINE, 2004; 1(1):20-30.

BEZERRA, AJC. As proporções do corpo humano segundo vitruvius. Admirável mundo médico: arte na história da medicina. Brasília: Conselho regional de Medicina do DF, 2002. p.51.

BHAKTA BB. Management of spasticity in stroke. Br Med Bull. 2000 ; 56(2):476-85.

BIENFAIT, M. Estudo e tratamento do esqueleto fibroso. Fáscias e Pompagens. São Paulo, SP: Ed. Summus Editorial, 1999.

BONITA R, BEAGLEHOLE R. Stroke prevention in poor countries: time for action. Stroke. 2007; 38:2871-2

BRANDÃO A D, LASKOVSKI L, GARANHANI MR Estratégias de fisioterapia com enfoque na prevenção da dor no ombro de pacientes hemiplégicos: revisão narrativa da literatura. Fisioter. Mov. 2008; 21(4):71-78.

BROOKE MM, DE LATEUR BJ, DIANA-RIGBY GC, QUESTAD K. Shoulder subluxation in hemiplegia: effects of three different supports. Arch Phys Med Rehabil. 1991;72:582–586.

BROX JI. Shoulder pain. Best Practice & Research Clinical Rheumatology. 2003;17:33-56

BUSSAGLI M. Anatomia artística. Firenze: Giunti Gruppo Editoriale, 2001.

BUTLER, S. B. Mobilização do Sistema Nervoso. São Paulo (SP): Manole; 2003.

CHAE J, MASCARENHAS D, YU DT, KIRSTEINS A, ELOVIC EP, FLANAGAN AR, et. al. Poststroke shoulder pain: its relationship to motor impairment, activity limitation and quality of life. Arch Phys Med Rehabil. 2007; 88:298-301.

CHANTRAINE et al. - Painful shoulder in hemiplegic. Arch Phys Med Rehabil .67(1), Jan,1987.

CHEREM AJ. Medicina e arte: observações para um diálogo interdisciplinar. Acta Fisiatr. 2005; 12(1): 26-32

CHUNG S; BAI Z; RYMER WZ; ZHANG LQ Changes of Reflex, Non-reflex and Torque Generation Properties of Spastic Ankle Plantar Flexors Induced by Intelligent Stretching. Conf Proc IEEE Eng Med Biol Soc;4: 3672-5, 2005 United States Medline17281024

CONSTANTOYANNIS C, KONSTANTINOU D, KOURTOPOULOS H. Intermittent cervical traction for cervical radiculopathy caused by large-volume herniated disks. Journal of Manipulative and Physiological Therapeutics. 2002; 25(3): 188-92.

CORRÊA, J. B., BORGES, H. C., LUCARELI, P..R.C., LIEBANO, R. E., Estimulação elétrica funcional na subluxação crônica do ombro após acidente vascular encefálico: relato de casos. Fisioterapia e Pesquisa. 2009; 16 (1): 89-93.

DAVIES PM. Steps to Follow. New York, NY: Springer-Verlag; 1985: 206–235.

DAVIES PM. Passos a seguir. São Paulo: Manole; 1996

DAVIES PM Recomeçando Outra Vez: Reabilitação precoce após Lesão Cerebral Traumática ou outra Lesão Cerebral Severa. São Paulo (SP): Manole; 1997.

DELISA J. Medicina de Reabilitação: Princípio e Prática, Editora Manole, 2001.

DORETTO D. Fisiopatologia clínica do sistema nervoso: fundamentos da semiologia. São Paulo: Atheneu; 1998.

DUNNE, J W, HEVE N, DUNNE SL Treatment of chronic limb spasticity with botulinum toxin. A. J Neurol Neurosurg Psychiatry.1995; 58: 232-235. J Neurol Neurosurg Psychiatry 1995;58:232-235 doi:10.1136/jnnp.58.2.232

FIGUEIREDO MMP; BARBOSA MCC; MOREIRA MCS. Avaliação de um manual de exercícios domiciliares para pacientes externos de um ambulatório de bloqueio neuromuscular. Acta Fisiátrica. 2005; 12(1): 7-10.

FIL A, ARMUTLU K, ATAY OA, KERIMOGLU U, ELIBOL B The effect of electrical stimulation in combination with Bobath techniques in the prevention of shoulder subluxation in acute stroke patients. Clin Rehabil Sage Publications. 2011; 25(1): 51-59.

FONSECA, JG; TAMBELLINI, AT; BARBOSA, LG. Estudo comparativo das técnicas de terapias manuais usadas na fisioterapia como forma de abordagem terapêutica das cervicalgias de origem músculo-esquelética. Cadernos Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, 2004.

FORD P, MCCHESNEY J. Duration of maintained hamstring ROM following termination of three stretching protocols. J Sports Rehabil. 2007;16(1):18-27.

GOKKAYA NK; ARAS M; YESILTEPE E; KOSEOGLU F Reflex sympathetic dystrophy in hemiplegia. Int J Rehabil Res. 2006; 29(4):275-9.

GOLDSPINK G. Changes in muscle mass and phenotype and the expression of autocrine and systemic growth factors by muscle in response to stretch and overload. J Anat. 1999; 194: 323-34.

GOLDSPINK G, WILLIAMS P, SIMPSON H. Gene expression in response to muscle stretch. Clin Orthop Rel Res. 2002; 403: 146-52.

GOMES B M, NARDONI GC G , LOPES P G, GODOY E. O efeito da técnica de reeducação postural global em um paciente com hemiparesia após acidente vascular encefáli¬co Acta Fisiatr. 2006; 13(2): 103-108.

GOMES C, LIANZA S. Síndrome dolorosa no ombro do hemiplégico. Med Reabil. 2001; (56):21-4.

GRACIES JM. Pathophysiology of impairment in patients with spasticity and use of stretch as a treatment of spastic hypertonia. Phys Med Rehabil Clin N Am. 2001; 12:747-68.

GU”NES¸ Y, SU”¨REYYA E. Effect of an Arm Sling on Gait Pattern in Patients With Hemiplegia. Arch Phys Med Rehabil. 2002 Jul;83(7):960-3.

GUSTAFSSON L, MCKENNA K. Um programa de alongamento estático posicional para reduzir a dor no ombro hemiplégico ou manter a amplitude de movimento do ombro: um ensaio clínico randomizado controlado. Clin Rehabil. 2006; 20: 277-86.

HAKKINEN, K.; KOMI, P. V. - Electromyographic changes during strength training and detraining. Med Sci Sports Exerc 15(6): 455-60, 1983.

HALAR EM, DELL KR. Relação da reabilitação com a inatividade. In: Kottke SJ, Lehmann JS. Tratado de medicina fisica e reabilitação de Krusen. 4ª ed. São Paulo: Manole; 2000. p.1105-20.

HANGER HC, WHITEWOOD P, BROWN G, BALL MC, HARPER J, COX R, et al. A randomized controlled trial of strapping to prevent post-stroke shoulder pain. Clin Rehabil. 2000;14(4):370-80.

HARVEY D. Assessment of the fl exibility of elite athletes using the modifi ed Thomas test. Br J Sports Med.1998; 32:68-70.

HARVEY L, HERBERT R, CROSBIE J. Does stretching induce lasting increases in joint ROM? A systematic review. Physiother Res Int. 2002; 7(1):1-13.

HORN AI.; FONTES SV ; CARVALHO SMR.; SILVADO RAB; BARBOSA PMK; DURIGAN JR; ATALLAH A.N.; FUKUJIMA M.M.; PRADO GF. Cinesioterapia previne ombro doloroso em pacientes hemiplégicos/paréticos na fase sub-aguda do acidente vascular encefálico. Arq. Neuro-Psiquiatr.2003; 61:(3-B): 768-71.

HORN, AI, FONTES, SV, CARVALHO SMR, SILVALDO RAB, BARBOSA PMK, DURIGAN JRA et. al. O complexo articular do ombro na hemiplegia. Rev Fisiot Univ São Paulo. 2003; 3 (1/2):14-27.

HUTCHINSON KJ; WINNEGGE TDPT. Terapia Manual aplicada na extremidade superior de hemiparéticos crônicos pós-AVC.: relato de caso. Revista de Terapia Neurológica Física. 2004; 28(3):129-137.

JUNQUEIRA, L. C.; CARNEIRO, J. Histologia básica. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.

JÜRGEL, J.; RANNAMA, L.; GAPEYEVA, H.; ERELINE, J.; KOLTS, I.; PÄÄSUKE, M. Shoulder function in patients with frozen shoulder before and after 4-week rehabilitation. Medicina. 2005; 41(1):30-38.

KALTENBORN, FM. Mivilization manual de lãs articulaciones de lãs extremidad in: Examen y movilización articular manual en la formación básica kinésica. 1ª. Edição. Universitetsgaten 24, 0162 0510 1, Noruega, 1986.

KAPANDJI AI. Fisiologia articular: membros inferiores. 5a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2000.

KISNER, C.; COLBY, L. Exercícios terapêuticos – fundamentos e técnicas. São Paulo: Manole, 1998.

KISNER, Carolyn; COLBY, Lynn Allen, Exercícios Terapêuticos – Fundamentos e Técnicas, 4ª Ed Manole, 2004.

KLOTZ T, BORGES HC, MONTEIRO VC, CHAMLIAN TR, MASIERO D Tratamento fisioterapêutico do ombro doloroso de pacientes hemiplégicos por acidente vascular encefálico: revisão da literatura. Literature Review. 2006;13(1) 12-16

KNUTSSON, E.; MARTERSSON, A.; GRANSBERG, L. - The effects of concentric and eccentric training in spastic paresis. Scand J Rehabil Med. 1992; 24(27):31-2.

KONNO EAB, ALVES EPB, BERTOLINI GRF, BARBIERI CH, MAZZER N-Remobilização por alongamento estático cíclico em músculo sóleo de ratos imobilizados em encurtamento. Rev Bras Med Esporte. 2008; 14(2):115-8

KOYUNCU E; NAKIPOGLU-YÜZER, GÜLDAL FUNDA; DOGAN, A.; OZGIRGIN, N. The effectiveness of functional electrical stimulation for the treatment of shoulder subluxation and shoulder pain in hemiplegic patients: A randomized controlled trial- Disabil Rehabil.2010; 32(7):560-6

KOZIJAVKIN et al Correction of Movement Utilizing the “Spiral” Suit – an Important Part of Kozijavkin Method. Cerebral Palsy Magazine 2004; 3 (6): 14-16

KOZIJAVKIN. The Kozijavkin Method. Disponível em www.thelancet.com Vol 364 November 27, 2004-acesso em maio de 2011.

KUMAR R, METTER EJ, MEHTA AJ, CHEW T. Shoulder pain in hemiplegia.

Shoulder pain in hemiplegia – The Role of Exercise. Am J Med Rehabil. 1990; 69(4): 205-208.

LAMONTAGNE A, MALOUIN F, RICHARDS CL, DUMAS F. Evaluation of H-reflex and non-reflex-induced muscle resistance to stretch in adults with spinal cord injury using hand-held and isokinetic dynamometry. Phys Ther. 1998; 78: 964–978.

LEPHART SM, PINCIVERO DM, GIRALDO JL The role of proprioception in the management and rehabilitation of athletic injuries. Am J Sports Med. 1997; 25 (1): 130-137.

JONG, LD de, NIEUWBOER A, AUFDEMKAMPE, G. Contracture preventive positioning of the hemiplegic arm in subacute stroke patients: a pilot randomized controlled trial. Clin Rehabil. 2006; 20(8):656-67.

LIEBER RL, STEINMAN S, BARASH IA, CHAMBERS H. Structural and functional changes in spastic skeletal muscle. Muscle Nerve. 2004; 29: 615-27.

LIU J, YOU WX, SUN D. Effects of functional electric stimulation on shoulder subluxation and upper limb motor function recovery of patients with hemiplegia resulting from stroke. Chinese. 2005; 25(8):1054-5.

MAGALHÃES, KZ, SILVA F. Alongamento e Mobilização Passiva vs Pompage na Melhora da Dor e Amplitude Articular do Ombro Doloroso em Pacientes Hemiplégicos na Fase Espástica do Acidente Vascular Encefálico. 2011. Fonte: fisiowebgate

MARQUES, A.P. Cadeias Musculares: Um Programa para Ensinar Avaliação Fisioterapêutica Global. Sao Paulo: Manole, 2000.

MC HUGH MP, KREMENIC IJ, FOX MB, GLEIM GW. The role of mechanical and neural restraints to joint range of motion during passive stretch. Med Sci Sports Exerc. 1998; 30:928–932

MÉTODO ROLF DE INTEGRAÇÃO ESTRUTURAL, disponível em >> www.rolfguild.net.br << acesso em março de 2011.

MORAES, LFS. Os Princípios das Cadeias Musculares na Avaliação dos Desconfortos Corporais e Constrangimentos Posturais em Motoristas do Transporte Coletivo. Universidade Federal de Santa Catarina [dissertação de Mestrado]. Florianópolis, 2002;

MYERS, TW, The ‘Anatomy Trains’, Journal of Body Work and Movement Therapies. 1997; 1(2), 91-101.

MYERS JB, LEPHART SM. The Role of the Sensorimotor System in the Athletic Shoulder, J Athl Train. 2000; 35: 351–363.

NAKIPOGLU-YÜZER, GÜLDAL F.; KOYUNCU, E; OZGIRGIN N - Effectiveness of Functional Electrical Stimulation on Upper Extremity Rehabilitation Outcomes in Patients with Hemiplegia Due to Cerebrovascular Accident. Journal Türkiye Fiziksel Tıp ve Rehabilitasyon Dergisi. 2010; 56(4): 177-181.

NIELSEN JB, CRONE C, HULTBORN H. The spinal pathophysiology of spasticity: from a basic science point of view. Acta Physiol. 2007;189:171-80.

NUYENS GE, DE WEERDT WJ, SPAEPEN AJ Jr, KIEKENS C, FEYS HM. Reduction of spastic hypertonia during repeated passive knee movements in stroke patients. Arch Physical Med Rehabil. 2002; 83:930–935.

O’DWYER NJ, ADA L, NEILSON PD. Spasticity and muscle contrature following stroke. Brain. 1996; 119: 1737-1749.

OLIVEIRA E SILVA C, RIBERTO M, BATTISTELLA LR Avaliação da dor no ombro em paciente com acidente vascular cerebral. Acta Fisiátrica. 2000; 7(2): 78-83.

O´SULLIVAN, S. B; SCHMITZ, T. J. Fisioterapia Avaliação e Tratamento. 2 ed.São Paulo: Manole, 2004.

PACI M., NANNETI l., RINALDI, L.A. Glenohumeral subluxation in hemiplegia: an overview. J Rehabil Res Dev. 2005; 42:557-68.

PAETH, B. Experiências com o Conceito Bobath: Fundamentos, Tratamento, Casos. Madrid: Panamericana, 2000.

PAULIN DE COUVAL. Painful Shoulder in the Hemiplegic and Unilateral Neglect. Arch Phys Med Rehabil. 1990; 71: 673-676

PINEDO S, DE LA VILLA FM. Complications in the hemiplegic patient in the first year after stroke. Rev Neurol. 2001; 32:206-9.

POLIZELLO JC, CARVALHO, LC, FREITAS FC, PADULA N, SHIMANO A, MATTIELLO-SYERZUT AC. Propriedades mecânicas do músculo gastrocnêmio de ratas, imobilizado e posteriormente submetido a diferentes protocolos de alongamento. Rev Bras Med Esporte. 2009;15(3):195-9.

POWERS, S.K.; HOWLEY, E.T. Fisiologia do exercício; Teoria e aplicação ao condicionamento e ao desempenho. 3ª ed. São Paulo: Manole, 2000.

PINTO, S. S; CHEDID, A.S. Proposta de Tratamento Fisioterapêutico Através da Utilização do Método de Cadeias de Leopoldo Busquet em Lombalgias de Origem Postural. Revista de Fisoterapia UNICID. 2003; 2(1): 7-14.

PRENTICE, WE.; VOIGHT, ML. Técnicas em reabilitação musculo-esquelética. 1ª. ed. Porto Alegre: Artmed, 2003.

PRICE CIM, PANDYAN AD. Electrical stimulation for preventing and treating post-stroke shoulder pain. Cochrane Database of Systematic Reviews. 2000; 4: CD001698

PRIORI A, COGIAMANIAN F, MRAKIC-SPOSTA S. Pathophysiology of spasticity. Neurol Sci. 2006; 27: S307–S309.

RIBAS DIR, BORBA BM, WILBERT WT, SILVA FD, ALMEIDA L. Influência do alongamento do músculo tríceps sural na marcha e pacientes hemiplégicos. Universidade do Vale do Itajaí / Centro de Ciências da Saúde-Biblioteca Univap-2007.

ROBERTS JM, WILSON K. Effect of stretching duration on active and passive range of motion in the lower extremity. Br J Sports Med. 1999; 33(4):259-63.

RODGERS, H. Risk factors for first-ever stroke in older people in the North East of England: a population based study. Stroke. 2004; 35:7-11.

ROHDE.J. Clinical examinations on the effect of tractions. Phys Rehab Kur Med. 1985; 37(5): 341-343

RYERSON, S. D. Hemiplegia resultante de dano ou doença vascular. In: UMPHRED, D. A. Fisioterapia Neurológica. 2. ed. São Paulo: Manole, 1994. p 622.

SAK N.N, KADYROVA L.A., SAK A.E. Muscular spirals in the Post-isometric Muscle Relaxation Technique. Manual Medicine. Thesis of scientific and practical conference of neurologist in Stavropol. Kislovodsk, 1990, pp.49-51 (in Russian).

SANDLUNG J.D., M. RYHED B. HAMBERG J. JOHANSSON, H. Reduced shoulder proprioception in patients with whiplash associated disorders (WAD), 8th International Federation of Orthopaedic Manipulative Therapists Conference, International Convention Centre, Cape Town, South Africa, 2004.

SECCHI KV, MORAIS CP, CIMATTI PF, TOKARS E, GOMES ARS. Efeito do alongamento e do exercício contra-resistido no músculo esquelético de rato. Rev Bras Fisioter. 2008;12(3):228-34

SENEVRATNE C, THEN KL, REIMER M. Post-stroke shoulder subluxation: a concern for neuroscience nurses. Axone. 2005; 27(1):26-31.

SILVA, QF. A utilização da estimulação elétrica funcional na terapêutica da espasticidade em hemiparéticos após AVC. Disponível em >>http://www.santafisio.com/trabalhos<< Acesso em: 02/03/2011.

SINGER B, DUNNE J, ALLISON G. Reflex and non-reflex elements of hypertonia in triceps surae muscles following acquired brain injury: implications for rehabilitation. Disabil Rehabilitation. 2001; 23(17): 749-757.

SHARP, S.A.; BROUWER, B.J. Isokinetic strength training of the hemiparetic knee: effects on function and spasticity. Arch Phys Med Rehabil. 1997; 78: 1231-6.

SHEPHERD RB. Exercise and training to optimize functional motor performance in stroke in stroke: driving Neural Reorganization? Neural Plasticity. 2001; 8(1-2): 121-129.

STOKES M. Neurologia Para Fisioterapeutas. São Paulo: Editora Premier, 2000;

STORINO FC. Os Diferentes Tipos de Tração como forma de Tratamento para a Cervicobralquialgia causada por Processo Degenerativo Intervertebral entre C5 e C6. 2005. http://www.wgate.com.br /conteudo/medicinaesaude/fisioterapia/reumato/cervicobraquialgia/cervicobraquialgia.htm, acesso em março de 2011.

TAYLOR DC, DALTON JD, SEABER AV, GARRETT WE. Viscoelastic properties of muscle-tendon units: The biomechanical effects of stretching. Am J Sports Med. 1990; 18(3):300-9.

TEASELL R, FOLEY N, BHOGALSK M. Painful Hemiplegic Shoulder: The Evidence-Based Review of Stroke Rehabilitation. EBRSR. 2010; (11)1-65.

TEIXEIRA, L.F.; OLNEY, S.J.; BROUWER, B. Mecanismos e medidas de espasticidade. Rev Fisio USP. 1998; 5(1): 4-19.

TEIXEIRA-SALMELA, L.F.; OLNEY, S.J.; NADEAU, S.; BROUWER, B. Muscle strengthening and physical conditioning to reduce impairment and disability in chronic stroke survivors. Arch Phys Med Rehabil. 1999; 80(10): 1211-8.

TSUR A; RING H. Axillary nerve conduction changes in hemiplegia. J Brachial Plex Peripher Nerve Inj. 2008; 3: 26.

TURNER-STOKES L, JACKSON D. Shoulder pain after stroke: a review of the evidence base to inform the development of an integrated care pathway. Clin Rehabil. 2002; 16:276-98.

UMPHRED, DA. Fisioterapia Neurológica. 2. ed. São Paulo: Manole, 1994.

VIVOLO FZ, ROSÁRIO JLP, MARQUES AP. Alongamento Muscular Global e Segmentar: um estudo comparativo em adultos jovens. Curso de Fisioterapia FMUSP. Anais do X Congresso Brasileiro de Biomecânica. Ouro Preto - MG, 2003.

VUAGNAT H; CHANTRAINE A. Shoulder pain in hemiplegia revisited: contribution of functional electrical stimulation and other therapies. J Rehabil Med. 2003; 35(2):49-54.

YEH CY; TSAI KH; CHEN JJ. Effects of prolonged muscle stretching with constant torque or constant angle on hypertonic calf muscles. Arch Phys Med Rehabil. 2005; 86(2):235-41.

YU DT, CHAE J, WALKER ME, HART RL, PETROSKI GF. Comparing Stimulation-Induced Pain During Percutaneous (Intramuscular) and Transcutaneous Neuromuscular Electric Stimulation for Treating Shoulder Subluxation in Hemiplegia. Arch Phys Med Rehabil. 2001; 82: 20-5

YU D. Shoulder pain in hemiplegia. Phys Med Rehabil Clin N Am. 2004; 15(3):683-97.

ZAMBERLAN AL, KERPPERS II. Mobilização neural como recurso fisioterapêutico na reabilitação de pacientes com acidente vascular encefálico: revisão. Revista Salus-Guarapuava-PR. 2007; 1(2): 185-191

ZOROWITZ RD, HUGHES MB, IDANK D, IKAI T, JOHNSTON MV. Shoulder pain and subluxation after stroke: correlation or coincidence? Am J Occupational Therapy. 1996; 50(3): 194-201.

 

Obs:

- Todo direito e responsabilidade do conteúdo são de sua autora.

- Publicado em 27/03/2015.


Artigos Relacionados:
 
 
Joomla 1.5 Templates by Joomlashack